Dance conosco: Dança Contemporânea

A dança contemporânea não é uma escola ou uma técnica específica, e sim um modo de pensar a dança que passou a ser desenvolvido em todo o mundo a partir da década de 70, depois de a dança moderna dar o pontapé inicial na quebra da hegemonia do balé clássico.

Ela nos propõe uma investigação de nós mesmos por meio do corpo, nos convida a vasculhar cada detalhe para descobrir movimentos que expressem nossas emoções, dúvidas e pensamentos, e nos lança a questão: por que não encarar o corpo como uma forma de existir e de fazer trocas com o mundo? Assim, mesmo quem não pretende ser bailarino pode praticar aulas de dança contemporânea como uma forma de autoconhecimento.

Conhece-te a ti mesmo

Somos criados dentro de certos padrões e ficamos acomodados naquilo, escreve o bailarino e coreógrafo Klauss Vianna (1928-1992), criador da técnica de consciência corporal no Brasil, no livro "A Dança".

A dança surge de nossos processos internos, de como nossos músculos se movem, como os ossos se encaixam e como colocamos emoção em nossa massa. Daí a ideia de buscar a dança que existe dentro de cada um. Quanto mais levarmos em conta essa dimensão existencial revelada por meio do nosso corpo, mais proveitoso poderá vir a ser o trabalho realizado e mais rico o resultado, escreve Klauss.

Novos pontos de vista

A dança contemporânea nos permite desalojar velhos padrões não só de movimento, mas de formas de pensar. É preciso deixar de lado certos valores para se espreguiçar no chão ou improvisar mesmo sabendo que, para quem olha de fora, você pode parecer ridículo. A reconhecida coreógrafa alemã Pina Bausch escolhe os bailarinos não pela técnica, mas pelo que pensam. Para isso, passa dois ou três dias com as pessoas antes de elegê-las ou não. Angel Vianna, professora, bailarina e companheira de vida de Klauss Vianna, diria que talento tem muito pouco a ver com dançar. É ao experimentar livremente que as capacidades se afloram. A dança contemporânea já valeria por nos devolver o corpo como forma de expressar nossa individualidade.

OH HEY, FOR BEST VIEWING, YOU'LL NEED TO TURN YOUR PHONE